Segunda, 19 de agosto de 2019 • 18 Av 5779  • י"ח אב  ה' תשע"ט

This item has pictures for men.

Conheça o Eruv do Bom Retiro

Print  PDF

Conheça o Eruv do Bom Retiro

A Cidade de São Paulo ganha mais um Eruv: além dos bairros dos Jardins, Jardim Europa, Itaim-Bibi, Pinheiros, Jardim Paulistano, Higienópolis e Santa Cecília, chegou a vez do Bom Retiro.


Conheça o mais novo eruv da Cidade de São Paulo, localizado no mais antigo bairro judaico do Bom Retiro. Clique aqui para acessar o mapa do Eruv do Bom Retiro, sob supervisão dos Rabinos Shmuel Havlin e Hersh Leib Begun.

Abaixo, explicações sobre o que é e como funciona um ERUV, elaboradas pelo BDK:

Definição

No Shabat podemos e devemos fazer uma série de coisas. No entanto, D'us nos proibiu de fazer algumas tarefas ao longo do Shabat. Uma destas é a proibição de retirar um objeto de um "reshut hayachid" ('propriedade privada') a um "reshut harabim" ('propriedade pública') e vice versa. Da mesma forma, é proibido transportar um objeto em um "reshut harabim".

"Reshut harabim"

"Reshut harabim" tem uma definição muito especifica pela Torá. Traduzir como 'propriedade pública' é uma forma muito generalizada. Para ser considerado um "reshut harabim" - a via precisa ter pelo menos 16 amot de largura (aprox. 8m) e atravessar a cidade de ponta a ponta. Alguns sustentam que precisam também passar todos os dias 600.000 pessoas pela via.

Um via pública, ou qualquer lugar aberto público que não preenche os requisitos acima, é considerado "carmelit". "Carmelit" é um espaço aberto (não cercado) onde não passa um público suficiente para considerá-lo "reshut harabim". (A definição precisa de "carmelit" é muito complexa e extensa). Há algumas diferenças técnicas (veremos uma delas mais adiante), mas da mesma forma que é proibido transportar no "reshut harabim", não se pode transportar no "carmelit".

E as nossas ruas hoje em dia?

Uma vez que as ruas de cidades grandes como a nossa, não preenchem todos os requisitos para serem consideradas "reshut harabim" - ou seja, as ruas não atravessam a cidade de ponta a ponta - não são consideradas "reshutharabim".

Conforme algumas opiniões, as ruas das cidades hoje são consideradas "reshut harabim". Por isso, há pessoas que são rigorosas em não transportar mesmo quando há Eruv. As pessoas que seguem esta opinião, não transportam nem em Yerushalayim, nem em Benê Berak, nem em Nova Iorque. Contudo, quem segue a opinião citada anteriormente, transporta no Eruv destas cidades, assim como no Eruv dos Jardins, Jardim Paulista, Itaim-Bibi, Pinheiros e Jardim Paulistano.

No que isto implica?

Uma cidade que tem "reshut harabim", não se pode transportar em vias públicas e não há nenhuma forma de permitir o transporte nas vias ao longo do Shabat.

No entanto, uma cidade cujas vias são consideradas "carmelit", estabelecendo-se um Eruv na cidade, permite que se transporte nestas vias.

Muitas pessoas conhecem o conceito de Eruv, pois possuem Eruv em seus prédios.

O que é o Eruv?

Eruv é uma forma de transformar uma propriedade que não é "reshut harabim", mas no entanto é utilizada por um público ("carmelit"), em uma grande propriedade privada.

Exemplo: A área comum de um prédio, não é uma propriedade privada - "reshut hayachid" - afinal pertence e circulam todos os condôminos. No entanto, esta área logicamente não se inclui nas definições de um "reshut harabim". Por conseguinte, esta área é considerada "carmelit" - onde também não se pode transportar no Shabat nenhum objeto.

No entanto, por ser um "carmelit", por intermédio do Eruv, pode-se transformar esta área comum do prédio em um "reshut hayachid" - propriedade privada. Desta forma, passa a ser permitido transportar nesta área comum do prédio.

Como é feito o Eruv?

O Eruv consiste em duas partes:

1) Manter a área cercada e delimitada.

2) Fazer uma sociedade entre todos os condôminos.

Área cercada

Uma condição básica para que um lugar possa ser considerado propriedade privada, é ser cercado. Toda a volta do lugar deve ser devidamente cercada e precisa delimitar as entradas a este local. Há muitas e muitas leis da forma que se deve cercar o local, o que é considerada uma cerca, qual a melhor forma etc. Para isso, deve-se sempre consultar uma autoridade rabínica competente.

No caso de cidades, há também diversas formas de cercá-la. Uma das formas mais simples e muito utilizada em cidades Israelenses e norte Americanas - é a "tsurat hapetach".

"Tsurat Hapetach", o que é?

"Tsurat hapetach" significa formas de porta. Ou seja, possui duas ombreiras e uma verga. Coloca-se em toda a volta da cidade formas de portas, uma ao lado da outra - cercando a cidade com portas. Pode-se fazer esta forma de porta com madeira, mas torna-se muito difícil fazer ao longo do perímetro de uma cidade que pode chegar a muitos kilometros. Por isso, geralmente utiliza-se dois postes, que tem no seu topo um prego, ou dois em formato de "V" ou um anel e um fio passa de um poste ao outro, passando pelo topo dos postes. Os postes são as ombreiras e o fio, a verga da porta. Centenas de postes com fios passando pelo topo deles, formam em torno da cidade uma cadeia de portas que cercam a cidade.

Outra forma de cercar é aproveitar as próprias construções da cidade. As cercas das casas e prédios que estão no limite da cidade, servem como cerca da própria cidade. Faltando assim apenas cercar as esquinas das ruas que estão continuam para fora da cidade. Nestas esquinas, pode-se fazer o sistema de "tsurat hapetach", colocando um poste de cada lado da rua, encostados na cerca das casas, passando o fio pelo topo destes postes. Desta forma a cidade está cercada pelas cercas das casas e nas esquinas em torno da cidade há "tsurat hapetach".

Sociedade entre os condôminos

A segunda condição para transformar aquela área em propriedade privada, é fazer uma sociedade entre todos os condôminos. Esta sociedade é feita com alimentos. Compra-se um pão grande (há medidas exatas na lei) que passa a pertencer a todos os condôminos. Este é deixado em um dos apartamentos, de forma que se os condôminos quiserem sentar juntos e comer uma refeição conjunta, possuem um alimento em sociedade. É muito comum se usar para este fim uma caixa de matsot, pois sua validade é extensa e pode-se mantê-la ao longo de Pêssach.

E no Eruv de uma cidade?

Para o Eruv de uma cidade, costuma-se usar uma caixa de matsá - e esta fica geralmente na sinagoga, para que todos os moradores tenham acesso a ela.

Precisa fazer Eruv na cidade inteira?

Não. É permitido e possível fazer Eruv apenas em um bairro. Logicamente as pessoas precisam tomar cuidado para somente transportar nas áreas internas ao Eruv.

Se o fio partir?

Se o fio que passa pelos postes de "tsurat hapetach" partir, torna-se proibido transportar nas vias do Eruv. Por isso, às sextas-feiras, um encarregado faz uma volta por todo o Eruv para verificar se este está em ordem, consertando eventuais rompimentos.

click image to enlarge

Comentários

Para comentar, você deve estar registrado em Login

Não há comentários aprovados até o momento

Avaliação

  Be the first to rate!

Recomende a um amigo
Bookmark and Share